Mons. Carrasco: «O serviço é a sua nova identidade».

31 fieis do Opus Dei receberam a ordenação diaconal na basílica de santo Eugênio (Roma) das mãos de Mons. Ignácio Carrasco.

Opus Dei
Opus Dei - Mons. Carrasco: «O serviço é a sua nova identidade».

Os novos diáconos procedem de 15 países diferentes: Brasil, Espanha, Itália, Venezuela, Quênia, Argentina, Filipinas, Uruguai, Eslováquia, Uganda, Nigéria, França, Costa do Marfim, Colômbia e Holanda. A ordenação sacerdotal será realizada no próximo dia 5 de maio e será transmitida pela internet.

Mons. Ignácio Carrasco, presidente emérito da Pontifícia Academia para a Vida, focou a sua homilia na palavra serviço, que caracteriza as tarefas próprias atribuídas aos diáconos: “Na linguagem de Jesus de Nazaré, na linguagem de sua Mãe, Maria, e de seus parentes, amigos e vizinhos o verbo transitivo ‘servir’ não significava nada do que pudessem se orgulhar. Era a palavra que definia o servo, o escravo, aquele a quem se davam as tarefas mais baixas, inclusive desagradáveis para fazer. O servo era aquele que ocupava o último lugar em qualquer das classificações que os homens fabricaram”.

Galeria de fotos

O prelado do Opus Dei, monsenhor Fernando Ocáriz, participou da cerimônia no presbitério

“No entanto – prosseguiu -, esta foi a palavra escolhida pelos apóstolos para nomear aqueles sete primeiros colaboradores de quem São Lucas nos fala nos Atos dos Apóstolos: ‘Homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria’”. E, dirigindo-se aos 31 candidatos disse: “esta será, portanto, a nova identidade que vocês assumirão dentro de uns minutos, quando eu lhes impuser as mãos”(Veja aqui a homilia).

O prelado do Opus Dei, monsenhor Fernando Ocáriz, participou da cerimônia no presbitério, junto com o vigário geral, Mons. Mariano Fazio, e o vigário secretário Antoni Pujals. Também estavam presentes na cerimônia numerosos familiares e amigos dos futuros presbíteros.

Esta é a lista dos novos diáconos:

- Raphael Rezende Fernandes (Brasil)

- Pablo González-Villalobos Bérgamo (Espanha)

- Francisco Javier Fernández Centeno (Espanha)

- Agustín Alfredo Silberberg Muiño (Argentina)

- Alejandro Gratacós Casacuberta (Espanha)

- Juan José Velasco Fernández (Espanha)

- Antonio Vargas-Machuca Salido (Espanha)

- Francis Anthony Jose Inzon Ong III (Filipinas)

- Francisco Felipe Nieto López (Espanha)

- Gonzalo Trelles Villanueva (Espanha)

- Juan Suárez-Lledó Grande (Espanha)

- Ignacio María Varela Vega (Uruguai)

- Luis Poveda Talavera (Espanha)

- Manuel Ignacio Candela Temes (Espanha)

- Alberto de Ángel Castel (Espanha)

- Michele Crosa di Vergagni (Itália)

- Jorge Segarra Taús (Espanha)

- Àngel Miquel Aymar (Eslováquia)

- Jude Kasirima Karuhanga (Uganda)

- Pedro Emeka Okafor (Nigéria)

- Alfred Robert Cruz Vergara (Filipinas)

- Pierre Laffon de Mazières (França)

- Frederick Vincent Ifechukwude Oraegbu (Nigéria)

- Yao N'zian Jean Eudes Téhia (Costa do Marfim)

- Anthony Elobuike Asogwa (Nigéria)

- Martijn Sebastian Pouw (Holanda)

- Ignacio Ramoneda Pérez del Pulgar (Espanha)

- Alberto José Ospina Sánchez (Colômbia)

- José Guillermo Muñoz Maldonado (Colômbia)

- Donatus Dedan Wainaina (Quênia)

- Manuel Alejandro Vielma Alvarado (Venezuela)