O bom amor a si mesmo

O autoconhecimento, com virtudes e defeitos, me faz feliz?

Formação da personalidade
Opus Dei - O bom amor a si mesmo

Porque vós sabeis que não é por bens perecíveis, como a prata e o ouro, que tendes sido resgatados (…) mas pelo precioso sangue de Cristo[1]. São Pedro recorda aos primeiros cristãos que sua existência tem um valor incomensurável, pois foi objeto do amor abundante do Senhor, que os redimiu. Cristo, com o dom da filiação divina, enche de segurança nossos passos pelo mundo. Assim o manifestava com espontaneidade São Josemaria a um jovem: “Padre” - dizia-me aquele rapagão (que será feito dele?), bom estudante da Central -, “estava pensando no que o senhor me falou..., que sou filho de Deus! E me surpreendi, pela rua, de corpo "emproado" e soberbo por dentro... Filho de Deus!” Aconselhei-o, com segura consciência, a fomentar a “soberba”[2].

Conhecer a grandeza da nossa condição

Como entender esse fomentar a “soberba”? Certamente, não se trata de imaginar virtudes que não se tem, nem de viver com um sentido de autossuficiência que cedo ou tarde trai. Consiste em conhecer a grandeza da nossa condição: o ser humano é a «única criatura sobre a terra a ser querida por Deus por si mesma»[3]; criado a sua imagem e semelhança, está chamado a levar esta imagem à plenitude ao identificar-se cada vez mais com Cristo pela ação da graça.

Esta vocação sublime fundamenta o reto amor próprio, que está presente na fé cristã. Sob a luz dessa fé, podemos julgar nossos sucessos e fracassos. A aceitação serena da própria identidade condiciona nossa forma de estar no mundo e atuar nele. Além disso, contribui na confiança pessoal que diminui os medos, precipitações e retraições, facilita a abertura aos outros e a novas situações e fomenta o otimismo e a alegria.

A ideia positiva ou negativa que temos de nós depende do conhecimento próprio e do cumprimento das metas que cada um se propõe. Estas partem, boa parte, dos modelos de homem ou mulher que desejamos alcançar e que se apresentam de diferentes modos, por exemplo, na educação recebida em casa, nos comentários dos amigos e conhecidos, nas ideias predominantes em uma determinada sociedade. Por isso, é importante definir quais são os nossos pontos de referência, já que se são altos e nobres, contribuirão em uma autoestima adequada. E convém identificar quais são os modelos que circulam em nossa cultura porque, mais ou menos conscientemente, influem em como nos valorizamos.

Perguntar-se por modelos

Acontece, em algumas ocasiões, que formulamos um juízo distorcido sobre nós ao ter admitido uns critérios de êxito que podem ser pouco realistas e inclusive nocivos: a eficácia profissional a qualquer preço, relações afetivas egocêntricas, estilos de vida marcados pelo hedonismo. Nós podemos nos supervalorizar depois de alguns sucessos, que nos parecem reconhecidos pelos outros; também nos pode acontecer o contrário: subestimamos-nos, quando não alcançarmos determinados objetivos ou não nos sentirmos levados em consideração em certos ambientes. Estas avaliações equivocadas são, em grande parte, a consequência de olhar demais aqueles que qualificam a trajetória pessoal exclusivamente em função do que se consegue, tem ou possui.

Para evitar os riscos anteriores, vale a pena perguntar-se quais são nossos pontos de referência na vida profissional, familiar, social e se são compatíveis com uma perspectiva cristã da vida. Sabemos, também, que o modelo mais perfeito, completo e plenamente coerente é Jesus Cristo. Ver nossa vida à luz da dEle é o melhor modo de nos valorizarmos, pois sabemos que Jesus é um exemplo próximo, no qual temos uma relação pessoal – de um eu com um Tu – por meio do amor.


Autoconhecimento: com a luz de Deus

Para julgar-se com sinceridade, é imprescindível conhecer-se. Esta tarefa é complexa e requer um aprendizado que, em certo sentido, não termina nunca. Começa por superar uma perspectiva exclusivamente subjetiva – “segundo eu”, “segundo a minha opinião”, “me parece”... – para ter em consideração outros pareceres. Se nem sequer sabemos com exatidão como é nossa voz ou aparência física, e temos que acudir a ferramentas de gravação de voz ou o espelho, quanto mais será indispensável admitir que não somos os melhores juízes para avaliar a nossa própria personalidade!

Além da reflexão pessoal, conhecer-se é fruto do que os outros nos dizem sobre nós. Isso se consegue quando sabemos nos abrir àqueles que nos podem ajudar – que grande recurso temos na direção espiritual! –, admitindo suas opiniões e considerando-as em relação a um bom ideal de vida. Nesse âmbito também influenciam a interação com quem nos rodeia, as modas e costumes da sociedade. Um ambiente que promove a reflexão favorece o desenvolvimento dos recursos de introspecção; enquanto outro com estilo de vida superficial limita esse desenvolvimento.

Convém, portanto, fomentar hábitos de reflexão e nos perguntar como Deus nos vê. A oração é um tempo oportuno, pois ao mesmo tempo em que conhecemos ao Senhor nos conhecemos com sua luz. Entre outras coisas, buscaremos compreender os comentários e conselhos que podemos receber dos outros. Em algum caso, saberemos distanciar dos juízos de outras pessoas quando notamos que os realizam sobre fundamentos pouco objetivos, ou talvez de uma maneira pouco reflexiva, e sobre tudo se julgam segundo critérios que não são compatíveis com o querer de Deus. Há que saber escolher a quem prestar mais atenção, pois como diz a Escritura: não pretendas parecer sábio diante do rei[4].

Por outro lado, como todos somos em parte responsáveis pela autoestima daqueles que nos rodeiam, temos de nos esmerar para que em nossas palavras se reflita a consideração por cada um, que é filho de Deus. Especialmente se temos uma posição de autoridade ou de guia (na relação pai-filho, professor-aluno, etc.) os conselhos e indicações contribuem para reafirmar nos outros a convicção dos próprios valores, inclusive quando é preciso corrigir com claridade. Esse é o ponto de partida, o oxigênio para que a pessoa cresça respirando por si, com esperança.

Aceitação pessoal: assim nos ama o Senhor

Ao considerar o próprio modo de ser à luz de Deus, estamos em condições de aceitar-nos como somos: com talentos e virtudes, mas também com defeitos que admitimos humildemente. A verdadeira autoestima implica reconhecer que não somos iguais e aceitar que outras pessoas podem ser mais inteligentes, tocar melhor um instrumento musical, ser mais atléticos... Todos temos boas qualidades que podemos desenvolver e, mais importante ainda, todos somos filhos de Deus. Nisso consiste a genuína autoaceitação, o sentido positivo do amor próprio do cristão que quer servir a Deus e aos outros, desfazendo as comparações excessivas que poderiam nos conduzir à tristeza.

Também nos aceitaremos como somos se não perdemos de vista que Deus nos ama com nossas limitações, que formam parte do nosso caminho de santificação e são matéria da nossa luta. O Senhor nos escolhe, como os primeiros Doze: homens comuns, com defeitos, com fraquezas, com a palavra mais fácil que as obras. E, entretanto, Jesus chama-os para fazer deles pescadores de homens, corredentores, administradores da graça de Deus[5].


Diante dos sucessos e dos fracassos

Com base nessa perspectiva sobrenatural, se contemplam com maior profundidade o nosso modo de ser e a nossa trajetória biográfica, entendendo todo o seu sentido. Relacionam-se, com uma visão de eternidade, os sucessos e as conquistas temporais. Assim, se nos alegramos com o sucesso na nossa atividade, sabemos também que o mais importante é que esta tenha servido para crescer em santidade. É o realismo cristão, maturidade humana e sobrenatural, que, do mesmo modo que não se deixa levar pela exaltação, que pode provocar o triunfo ou elogios, não se deixa levar pelo pessimismo diante de uma derrota. Como ajuda dizer, como São Pedro, que fizemos o bem em nome de Jesus Cristo Nazareno![6]

Ao mesmo tempo, admitir que as dificuldade externas e as próprias imperfeições limitam as nossas conquistas é um dos aspectos que dá forma à nossa autoestima, fundamenta a maturidade pessoal e abre as portas do aprendizado. Só podemos aprender com o reconhecimento das nossas carências e com a atitude de extrair experiências positivas do que aconteceu Fracassaste! – Nós nunca fracassamos. – Puseste por completo a tua confiança em Deus. Não omitiste, depois, nenhum meio humano. Convence-te desta verdade: o teu êxito – agora e nisto – era fracassar. – Dá graças ao Senhor e... torna a começar![7]. Estamos em condições de empreender o caminho da Cruz, que mostra os paradoxos da fortaleza da debilidade, a grandeza da miséria e o crescimento na humilhação, e ensina sua extraordinária eficácia.

Trabalhar com segurança e saber retificar

A segurança pessoal é mais firme quando nos apoiamos em saber-nos filhos amados de Deus, e não na certeza de alcançar o êxito, que tantas vezes nos escapa. Essa convicção permite tolerar o risco que acompanha qualquer decisão, superar a paralisia da insegurança e ter uma atitude de abertura ao novo. Não é prudente quem nunca se engana, mas quem sabe retificar os seus erros. Esse é prudente porque prefere não acertar vinte vezes a deixar-se levar por um cômodo abstencionismo. Não atua com tresloucada precipitação ou com absurda temeridade, mas assume o risco das suas decisões e não renuncia a conseguir o bem por medo de não acertar.[8]

Partindo das limitações pessoais e da capacidade de aprender do ser humano, retificar supõe uma melhoria, um enriquecimento pessoal que, por sua vez, reverte no que rodeia e em quem rodeia, contribuindo simultaneamente a aumentar a confiança si mesmo e no seu ambiente. Quem se põe nas mãos do Pai celestial está seguro, pois todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus[9], incluindo quando pedimos perdão ao Senhor pelas quedas e, com a sua graça, nos levantamos e assim crescemos em humildade. Deste modo, saber retificar faz parte do processo de conversão: Se dizemos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se reconhecemos os nossos pecados, (Deus aí está) fiel e justo para nos perdoar os pecados e para nos purificar de toda iniquidade[10].

Uma virtude indispensável

A autoestima cresce, definitivamente, sob a humildade porque é a virtude que nos ajuda a conhecer simultaneamente a nossa miséria e a nossa grandeza[11]. Se falta essa atitude da alma, não é raro que cheguem problemas de estima pessoal. Mas quando se cultiva a autoestima, a pessoa se enche de realismo, e se valoriza: não somos homens nem mulheres impecáveis, mas também não somos seres corrompidos! Somos filhos de Deus, e, sobre nossas limitações, se assenta uma dignidade insuspeitada.

A humildade gera um ambiente interior que permite conhecermos como somos e nos impulsiona a buscar sinceramente o apoio dos outros, ao mesmo tempo em que os damos o nosso. Em última análise, todos e cada um de nós necessitamos de Deus, em quem temos a vida, o movimento e o ser[12], que é Pai misericordioso e vela continuamente por nós. Quanta segurança e confiança existiram na vida de Santa Maria! Ela pode dizer realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo[13] porque é muito consciente de sua humildade de escrava de Deus[14]. Nela, humildade e consciência da grandeza da própria vocação se conjugam maravilhosamente.

J. Cavanyes


[1] 1 Pe 1, 18-19.

[2] Caminho, n. 274.

[3] Concilio Vaticano II, Const. past. Gaudium et spes, n. 24.

[4] Ecl 7,5.

[5] É Cristo que passa, n. 2.

[6] At 3,6.

[7] Caminho, n. 404.

[8] Amigos de Deus, n. 88.

[9] Rm 8,28.

[10] 1 Jo 1,8-9.

[11] Amigos de Deus, n. 94.

[12] At 17,28.

[13] Lc 1, 49.

[14] Lc 1, 48.