Entrevista ao postulador da causa de Montse Grases

Entrevista com Pe. José Luis Gutiérrez Gómez, postulador da causa de Montse Grases, quando foi autorizada a promulgação do decreto sobre a heroicidade das suas virtudes.

Notícias
Opus Dei - Entrevista ao postulador da causa de Montse Grases

1. Como descreveria, em poucas palavras, Montse Grases?

Quando a Igreja declara que uma pessoa viveu as virtudes cristãs de forma heroica, destaca, com certeza, as caraterísticas mais importantes da personalidade de um ser humano. Portanto, a primeira coisa a dizer é que Montse viveu em grau supremo a fé, a esperança e a caridade, assim como as virtudes cardeais e as virtudes morais. Era muito piedosa e procurou a Deus com todas as suas forças, em perfeita sintonia com o contexto normal da sua existência cotidiana.

Montse foi uma garota como as outras, muito humana, mas que soube sobrenaturalizar as circunstâncias mais comuns: as relações familiares, as amizades próprias de uma adolescente, o trabalho, a diversão etc. Todos os que a conheceram reconheceram que era uma pessoa de trato doce – mas não meloso - e, portanto, muito agradável. Foi esse traço de sua personalidade que fez com muitas meninas da sua idade quisessem a sua amizade, que ela, generosamente, oferecia. Quando conheceu o Opus Dei, Montse aproveitou esses dons naturais para aproximar mais de Deus as suas amigas de uma forma muito natural, sem espalhafato nem coisas estranhas, mas falando diretamente à cada uma.

Foi uma jovem profundamente feliz e, por isso, contagiava com alegria todas as circunstâncias pelas quais passou, incluindo a doença e a morte.

2. Que consequências traz esse fato de Montse ser agora venerável?

Os santos canonizados, com o seu exemplo e a sua intercessão diante de Deus, ajudam-nos, aos cristãos, a percorrer o caminho da vida. A Igreja afirma que a ajuda que eles nos dão é um grande serviço: podemos e devemos pedir-lhes que intercedam por nós e por todos.

Ao declarar a Montse venerável, a Igreja indica que ela é um exemplo que pode ser proposto à devoção e à imitação dos fiéis católicos. E anima-nos também a recorrer à sua intercessão para obter favores do Céu.

3. Poderia destacar algumas das virtudes que Montse lutou, heroicamente, por viver?

Ensinou-nos que seguir Jesus Cristo de perto não significa realizar coisas cada vez mais difíceis ou extraordinárias, mas realizar as ocupações diárias por amor e com amor, transformando-as em oportunidades para servir a Deus e aos outros. Montse expressou em sua vida o espírito que Deus confiou a São Josemaria, fundador do Opus Dei.

A sua curta vida mostra que não se deve esperar pela "velhice" para alcançar metas altas, e que a juventude não é um período de transição na vida mas, exatamente ao contrário: é o momento em que uma pessoa pode se entregar a Deus amando-O com todo o coração e para iluminar o mundo com a luz de Cristo.

São Josemaria recordava aos fiéis mais jovens do Opus Dei que a idade não dá sabedoria, nem santidade. Mas o Espírito Santo põe na boca dos jovens estas palavras: "Super senes intellexi, quia mandata tua quaesivi" (Sl 118, 100), tenho mais sabedoria que os velhos, mais santidade que os velhos, porque procurei seguir os mandatos do Senhor. Não espereis pela velhice para ser santos: seria um grande erro. Esta mensagem foi plenamente recebida por Montse e eu penso que ela vai animar muitos jovens a não deixarem para mais tarde as decisões que transformam a sua existência e lhe dão um sentido divino: decisões de uma maior solidariedade, de abertura a Deus e aos outros.

4. E há, efetivamente, devoção a Montse da parte dos jovens?

Sim, muitos rezam a ela. Chegam notícias de centenas de favores atribuídos à sua intercessão. Também vão orar junto ao seu túmulo, no Oratório da Residência Universitária de Bonaigua, em Barcelona.

E é impressionante o número de estampas para a sua devoção que se imprimem em todo o mundo. Por exemplo, segundo os meus dados, em 2014 foram editadas mais de 40 mil estampas de Montse... em alemão, árabe, castelhano, catalão, cubano, chinês, estônio, francês, inglês, italiano, japonês, lituano, holandês, polonês, português, sueco e tagalo.

Acesso à cripta do oratório de Bonaigua, onde está o túmulo de Montse Grases

5. Durante um processo de beatificação e canonização, muita gente é interrogada. Que dizem de Montse os que fizeram depoimentos sobre a sua vida?

No processo diocesano, que decorreu entre 1962 e 1968, recolheram-se os testemunhos de 27 pessoas que tinham convivido com Montse. Em 1993 – por iniciativa do então postulador da causa, embora não fosse estritamente necessário fazê-lo –, foram recolhidos mais de 100 relatórios de testemunhos deixados por outras pessoas que conheceram a Montse.

Penso que, tratando-se de uma garota com menos de 18 anos, a procura de testemunhas foi exaustiva, bastante mais ampla do que o habitual. Na verdade, chegaram ao nosso conhecimento muitos matizes da sua vida que nos ajudaram a ter uma imagem mais completa da sua santidade.

Que disseram essas testemunhas? É muito difícil resumir em poucas linhas. Vou me limitar a citar algumas frases textuais, sem indicar nomes:

    • «Costumava dizer a si mesma: ‘sou filha de Deus'».
    • «Montse foi uma menina que cresceu e se fez mulher sem problemas [...]. Era alegre, limpa, boa e simples».
    • «Sabia cuidar bem das coisas pequenas: os detalhes de ordem, mortificação, alegria, preocupação com os outros, etc.»
    • «Montse encontrou Jesus na Cruz, um Jesus que se abandonava nos braços do Seu Pai, dizendo: Nas Tuas mãos entrego o meu espírito. E como ela confiava no seu Pai Deus, e se sentia nas Suas mãos, estava serena, calma, feliz».
    • «O extraordinário em Montse era precisamente a sua normalidade. Soube viver a sua doença sem atrair atenção para si mesma, sem querer ser o centro das preocupações dos outros».
    • «O que mais admirei na Serva de Deus foi a sua alegria: uma alegria constante e contagiosa. Saíamos alegres das visitas que lhe fazíamos, e com grande paz interior, isto quando a Serva de Deus já estava muito doente, e sabendo nós, os que a visitávamos, que ela já sabia da gravidade da sua doença».


6. Para a Montse ser beatificada, é necessário que a Santa Sé reconheça um milagre obtido pela sua intercessão. Há algum milagre atribuído à Montse?

De fato, a etapa seguinte, prévia à beatificação, é a demonstração da existência de um milagre. O mais frequente é que esses milagres sejam curas para as quais a ciência não consegue encontrar explicação, pelo tipo de doença ou pela forma como a cura se deu.

Já chegaram notícias de muitos favores e também de curas. Como exemplo, limito-me a referir a seguinte: no dia 10 de março de 2003, em Barcelona, o Doutor José O. saiu de sua casa para fazer uma compra para a mulher. Na Rambla da Catalunha, sofreu uma parada cardíaca. Dois médicos que por ali passavam fizeram-lhe uma massagem e foi levado para um hospital. A mulher e os amigos confiaram a sua recuperação à intercessão de Montse. José afirmou depois: «Ninguém acreditava que eu me salvasse e todos pensavam que iria ficar com sequelas cardíacas ou cerebrais. Podia ter ficado paralítico, cego ou simplesmente em estado vegetativo». Mas não, o doutor está bem e leva uma vida normal.

No entanto, com a declaração das virtudes heroicas, tenho a certeza de que muitas pessoas vão recorrer à intercessão da nova Venerável, e que se vão obter abundantes graças de carácter extraordinário que servirão, sem dúvida, para chegarmos quanto antes à sua beatificação.

Durante a Missa de ação de graças pelo decreto de virtudes heroicas de Montse Grases no Oratório de Bonaigua, 8/06/2016

7. Imagino que, apesar de um processo de beatificação e de canonização ser longo e requerer muito trabalho, Monsenhor Gutiérrez considera que o processo de Montse vale a pena. Por quê?

Claro que vale a pena!, como todos os processos de canonização que se levam a cabo na Igreja. Precisamos de referências que nos ajudem a levar uma vida cristã, que nos ensinem a lidar com a "realidade concreta" de nossas vidas. Como o Papa Francisco diz no nº 31 da sua Exortação Apostólica A alegria do amor (Amoris laetitia) : «...porque os pedidos e apelos do Espírito Santo ressoam também nos acontecimentos da História».

O exemplo de uma menina agradável, alegre, normal, que se santifica nas suas tarefas habituais, "normais e correntes", será um ímã que irá atrair muitas outras pessoas - especialmente entre os jovens - para levarem a sua fé a sério e assim encontrarem a felicidade.