Cardeais e bispos falam sobre a canonização de Josemaría Escrivá

Comentários de bispos sobre a canonização do fundador do Opus Dei nas missas celebradas em torno do dia 9 de janeiro, por ocasião do centenário do seu nascimento.

Entre aspas

Card. Joachim Meisner, arcebispo de Colônia

Catedral de Colônia, 19 de janeiro.

"Beatificações e canonizações significam uma desprivatização da pessoa, que passa a pertencer ao patrimônio comum da Igreja. O Bem-aventurado Josemaría é e será sempre o fundador do Opus Dei, mas pertence a todos nós na Igreja. Por isso, nos alegramos com os membros do Opus Dei, porque em breve — parece — o nosso Beato será canonizado".

Card. Norberto Rivera, arcebispo primaz do México

Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe, Cidade do México, 9 de janeiro.

"Para todo o mundo, mas especialmente para os mexicanos, esta notícia tão esperada inundou-nos de especial alegria. Alegra-me também a peculiar coincidência de que Santa Maria de Guadalupe tenha reunido de novo Juan Diego e Josemaría Escrivá: ambos peregrinos do Tepeyac e enamorados da “Virgem Morena”. Uniu-os no seu caminho para os altares, já que também em 1990, quando foram reconhecidas as suas virtudes heróicas, foram declarados veneráveis no mesmo dia ".

D. Serafim Ferreira da Silva, bispo de Leiria-Fátima

Fátima, Capela das Aparições, 12 de janeiro.

"Tenho a honra de hoje presidir a esta celebração na capelinha das aparições onde ele veio tantas vezes, a primeira em 1945. Foi o primeiro peregrino deste Santuário a ser beatificado; será canonizado ainda este ano de 2002. Um homem com muita força interior, mas que quis colher energias nos Santuários marianos desde Fátima até Guadalupe, rezando (aqui assim aconteceu) à Mãe para que fosse feita a Vontade de Deus, através do Filho eterno de Deus Pai e com a ajuda de Nossa Senhora, abrindo-nos ao Espírito".

Card. Franz König, arcebispo emérito de Viena

Numa entrevista publicada por “La Vanguardia” (Barcelona), em 21 de dezembro de 2001

"Alegro-me com todos os novos santos que são canonizados. A canonização significará que Escrivá não é uma figura estranha, à margem, mas que pertence ao tesouro da Igreja e que faz parte da multidão dos santos".

D. Juan José Omella, bispo de Barbastro-Monzón

Barbastro, cidade onde nasceu o Bem-aventurado Josemaría, 9 de janeiro

" Viveu uma vida enraizada em Cristo, amou apaixonadamente e com gozo a Igreja e fundou o Opus Dei. Damos graças pelo que a Obra tem sido para a Igreja e para tantas pessoas , a quem tem ajudado a conhecer e amar mais a Deus. Pedimos ao Senhor que logo nos conceda vê-lo nos altares, como modelo de seguimento de Cristo, o Filho de Deus".

D.Anthony O. Gbuji, Bispo de Enugu (Nigéria)

Enugu, 9 de janeiro

"O desenvolvimento do Opus Dei é fruto da fé, do amor e da total entrega do Bem-aventurado Josemaría à vontade de Deus. O fundador do Opus Dei, seguindo o exemplo de Cristo, entregou sua vida pela salvação das almas. Por isso, logo será incluido na lista dos santos".

Cardeal D. Camillo Ruini, vigário geral da Sua Santidade para a diocese de Roma

Basílica de Santo Eugênio, Roma, 9 de janeiro

"Duc in altum. Mar adentro. Diante desta perspectiva, o espírito do Bem-aventurado Josemaría é um ponto de referência firme para adentrar no terceiro milênio. A vida e as obras do Bem-aventurado oferecem-nos uma orientação precisa para não perder de vista a primeira e fundamental "prioridade pastoral" que o Papa tem determinou para toda a Igreja: a santidade".

D. Giuseppe Costanzo, arcebispo de Siracusa

"Qual é o segredo da fecundidade da vida do Bem-aventurado Josemaría? Sobre tudo, a sua entrega total à missão eclesial que Deus lhe confiou. Quando fazia as coisas, fazia-as bem. A totalidade da entrega. Josemaría Escrivá teve muito clara uma idéia: o trabalho é serviço. Um serviço ao Rei Divino, aos irmãos resgatados com o Sangue Precioso de Cristo. Sevir significa dar-se, gastar-se".